Semana da mulher: Conheça histórias de brasileiras que fazem a diferença

Inspiração dentro e fora de casa, mulheres mostram sua força no ambiente de trabalho

09/03/2020

Semana da mulher: Conheça histórias de brasileiras que fazem a diferença

Superar desafios diários e encarar um mercado de trabalho tão disputado exige inspiração e força, valores que são encontrados em grandes empresas, mas também em pequenas comunidades.

No dia 8 de março é celebrado o Dia Internacional da Mulher. A data foi oficializada pela Organização das Nações Unidas (ONU) no ano de 1975 e simboliza a luta pela igualdade de direitos entre homens e mulheres.

Desde então, 45 anos se passaram, e neste tempo, muitas conquistas foram realizadas. Hoje, as mulheres são protegidas por leis criadas exclusivamente para atendê-las, passaram a assumir funções em áreas que eram amplamente dominadas pelos homens e têm muito mais voz ativa não só dentro de casa, como também no ambiente de trabalho.

Entretanto, ainda existem desafios que precisam ser vencidos. Atualmente, diversas empresas ainda pagam salários inferiores para mulheres que estão no mesmo nível hierárquico que os homens. Além disso, as mulheres precisam driblar diariamente o pensamento patriarcal que lhe é imposto diversas vezes, tirando até o direito opinar sobre o próprio corpo. Com isso, não se pode dizer que a igualdade de gênero está consolidada.

Superar todas essas questões e encarar um mercado de trabalho tão disputado exige inspiração e força. Por isso, você vai conhecer neste texto histórias de mulheres que venceram desafios e chegaram à altos cargos em grandes empresas, e também conhecerá mulheres que, mesmo com poucas oportunidades, conseguiram mudar a vida de muitas pessoas.

Liderança feminina em grandes empresas

Primeira rede de afiliação 100% brasileira, a Afilio incentiva a inclusão de mais mulheres no mercado de trabalho e conta com lideranças femininas desde o seu início. Atualmente, temos seis diretorias e três delas são encabeçadas por mulheres de fibra, que conciliam maternidade e até as tarefas de casa com o alto cargo que ocupam. Uma delas é a Fernanda Hermanny, que entrou como Diretora Financeira, assumiu o setor operacional e foi anunciada como Diretora Geral em janeiro de 2020. Há seis anos na Afilio, ela teve dois filhos neste período e nos contou em off que, após se tornar mãe, sentiu ainda mais eficiência e vontade de assumir desafios maiores.

Nos outros dois setores liderados por mulheres, contamos com a Amanda Emmerick na Diretoria Operacional e Luciana Landim na Diretoria Financeira.

Fora da Afilio, recentemente, Cristina Junqueira, que é uma das fundadoras e vice-presidente da Nubank, chamou a atenção do mundo ao ser a primeira mulher a posar grávida para a capa da Revista Forbes. Este foi um feito histórico e de representatividade para todas as mulheres que conciliam a maternidade com a carreira, e também, serviu como exemplo para os homens, mostrando que é possível ser mãe e dirigir uma das maiores empresas do país.

Na edição que teve Cristina como capa, a Forbes abraçou o tema "Mulheres mais poderosas do Brasil" e divulgou uma lista com 20 líderes em negócios, artes, ciência, gestão pública, música, entre outros segmentos. Além da vice-presidente da Nubank, ganharam destaque na revista a cantora Anitta, a jornalista Renata Lo Prete, a pesquisadora Marcia Barbosa e a chef de cozinha Paola Carosella.

O poder da mulher fora dos centros empresariais

Representatividade importa muito e devemos ter exemplos também fora das grandes empresas. Afinal de contas, sabemos que muitas mulheres lutam diariamente para construir um futuro melhor, mas nem todas possuem as mesmas condições e oportunidades, então é preciso encarar os desafios com determinação e força de vontade.

Já ouviu falar na pesquisadora Jaqueline Goés de Jesus? Ela é coordenadora da equipe de cientistas brasileiros que sequenciou o genoma do coronavírus em aproximadamente 48 horas. Mulher, negra, nordestina, formada na rede pública e com opiniões políticas fortes, Jaqueline precisa enfrentar o racismo, machismo e a falta de recursos e valorização do profissional de ciências no Brasil. Mas, sempre de cabeça erguida, ela conseguiu realizar grandes feitos na carreira e aos 30 anos, inspira meninas e mulheres a seguirem os mesmos passos na ciência.

Partindo lá para o interior do Tocantins, conhecemos a história da dona de casa Dulce Steinmtz. Formada em administração, ela improvisa uma sala de aula no pátio de uma escola de ensino infantil em Guaraí, e uma vez por semana, dá reforço escolar para os alunos. Dona Dulce ainda busca os estudantes em casa quando eles não conseguem chegar. Ao longo de dois anos e meio do projeto, 100 crianças foram ajudadas, de acordo com o G1.

Você também precisa conhecer a história da cobradora de ônibus Genicleide de Lima, de 55 anos. Apesar da rotina cansativa, ela escreveu um livro de poesias com sua visão sobre os acontecimentos do dia a dia no trânsito de Pernambuco, que foi lançado em 2009. O livro transformou o pouco conhecimento que Genicleide tinha sobre literatura, e logo ela chegou à União Brasileira dos Escritores (UBE) e à Sociedade dos Poetas Vivos de Olinda (SPVO).

Em fevereiro deste ano, Genicleide disse estar firme na faculdade de Letras e lançou seu segundo livro, chamado "Pétalas de Gemaguili", na Biblioteca Pública de Pernambuco. Essa história inspirou muitos brasileiros após ser veiculada nas principais emissoras do país.

Viu? Em todos os cantos do Brasil, você vai encontrar uma mulher inspiradora, que driblou desafios e conseguiu fazer a diferença no ambiente de trabalho e na vida de muitas pessoas. Nesta semana da mulher, reconheça e valorize a importância das forças femininas. Nós da Afilio desejamos muitas alegrias para as guerreiras do nosso time e de todo o mundo.