4 passos para você aprender a separar o dinheiro da empresa do pessoal

0
1303
cofres de porquinho

Finanças pessoais, infelizmente, não é uma habilidade forte dos brasileiros. Segundo pesquisa do Ibope, somente 21% das pessoas tiveram acesso à educação financeira. Quando o assunto é dinheiro da empresa, as coisas ficam ainda mais complexas.

Muitas pessoas começaram a empreender sem se atentar que o dinheiro da empresa e o pessoal precisam ser tratados de formas diferentes. O resultado? Desorganização, dívidas e desconhecimento a respeito dos ganhos reais e gastos do negócio.

Se você sente dificuldade na hora de organizar as finanças, esse artigo é para você. Continue a leitura!

Primeiro, por que separar o dinheiro da empresa é importante? 

No início muitas pessoas não se importam com essa questão, mas logo os problemas começam a surgir. O principal deles é a ausência de capital de giro. Ou seja, o empreendedor encara todas as entradas como seu salário e usa para pagar cartão de crédito, boletos e contas que não são da empresa.

O problema é que, sem uma reserva, o negócio fica sem poder de investimento e fluxo de caixa, o que pode levar à falência.

A vida financeira da pessoa física também fica ameaçada já que, sem um salário fixo, fica muito fácil cair no descontrole. Como consequência, também surgem os problemas de crédito, comprometendo o nome da pessoa em busca de empréstimos e dívidas que são da empresa.

Até aqui deu para perceber que encarar o dinheiro da empresa e o pessoal como um só pode ser muito arriscado tanto para a pessoa física, como a jurídica, certo? Entenda, então, como separar abaixo. 

Como separar o dinheiro na prática?

Veja o passo a passo simplificado para salvar as finanças da sua empresa:

1. Analise suas finanças

Como diz o ditado, o primeiro passo é “botar ordem na casa”. É imprescindível conhecer todos os gastos do negócio, assim como o lucro obtido. Se você é mais tradicional, um livro-caixa pode dar conta do recado. É importante anotar tudo o que entra e tudo o que sai. Se você é mais tecnológico, existem programas e aplicativos para isso.

Nesse momento, é hora de anotar tudo, desde insumos da empresa, aluguel, contas básicas como luz e água, além de matéria prima, entre outros. É importante que você saiba quanto custa manter sua empresa em funcionamento. Depois, anote também todas as entradas e identifique o lucro real gerado.  

2. Defina um pró-labore

Suas finanças pessoais também merecem a devida atenção. O ideal é mapear todos os seus gastos fixos e variáveis. Isso pode ser feito em uma planilha do Excel, um caderno ou até mesmo em aplicativos.

É essencial entender seu custo de vida para definir um pró-labore, ou seja, uma quantia fixa que a empresa pagará para você, como espécie de salário. Isso significa dizer que nem todo o dinheiro que entra para o empreendimento é seu, pois é necessário criar uma reserva, como veremos adiante.

Ter contas bancárias diferentes para a empresa e pessoa física é melhor maneira de organizar finanças.

Para definir um pró-labore de forma realista, o ideal é que você considere os meses de menor faturamento da empresa. Desconte todos os gastos básicos de manutenção do negócio, estipule um valor para reserva e, então, defina seu salário.

3. Crie uma reserva

Da mesma forma que não se deve retirar dinheiro do caixa da empresa para custear contas pessoais, também não é adequado retirar valores do próprio bolso para cobrir despesas do negócio.

É crucial criar uma reserva que sirva de fluxo de caixa da empresa. É esse dinheiro que vai permitir lidar com emergências, atravessar momentos de crise e até mesmo fazer investimentos para melhorar os negócios.

4. Separe a conta da empresa da pessoal

Para tornar tudo mais simples de gerenciar, é interessante ter uma conta específica para o dinheiro da empresa. Sabia que muitos bancos e fintechs têm contas gratuitas para PJ? Assim fica prático separar o que é seu do que é do negócio.

Além disso, com uma conta de pessoa jurídica no banco você tem acesso a crédito especial para empresas, como cartões de crédito, empréstimos e descontos exclusivos.

Como vimos, separar o dinheiro da empresa do pessoal é crucial para a manutenção da saúde financeira de ambos. Por mais que dê um pouco de trabalho no início, essa mudança vai gerar mais autonomia e chances de crescimento. 

Agora, que tal conferir 6 dicas para ser mais produtivo no home office? Leia!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here